Diário
Sábado 27 de Abril, 2019
Terra Sagrada. Terra Poder.
Recém chegada duma viagem às terras Maias Mexicanas.



Cenotes, Teocallis, Selvas sagradas - são locais de muito poder, tesouros do México.



Lamentavelmente para a maioria são apenas locais turísticos onde a história verdadeira há muito ficou perdida ao longo dos tempos. 

Outros vêm à procura dos cogumelos mágicos, substâncias alucinogénias usadas para rapidamente se entrar em estados alterados de consciência.



Eu fui à busca do poder, que para mim, é o mais verdadeiro e mais real. Com a ajuda da querida Sónia - hermanita del corazon - encontrei o que procurava.
Esse poder bem interno, bem dentro de mim.
Aquele que pulsa desde o coração do meu ventre.

O poder que não precisa de drogas. 

O poder que não tem necessidade de controlar ou manipular.

O poder que me dá liberdade.





Num período do Calendário Sagrado Maia - Tzolkin - muito desafiante: o salão de espelhos do ciclo de Etznab, os testes foram igualmente desafiantes.

Não se é digno de receber o Poder, sem antes enfrentarmos os nossos próprios demónios.
Provas que testam a nossa pureza, humildade e bondade. Mas também a nossa força e capacidade de render.


O salão de espelhos são dias em que a Vida nos apresenta situações e pessoas que nos vão testar... situações desconfortáveis; pessoas que nos vão irritar... será espelhado tudo o que ainda precisamos de trabalhar dentro de nós.

E como este salão de espelhos foi num ciclo de Etznab, então tudo foi ampliado.




O desafio é não projectar no exterior as minhas frustrações, a minha aversão ou qualquer outra emoção intensa. Não criticar ou julgar o outro ou a circunstância, mas antes olhar o reflexo e procurar perceber que mensagem me traz. 

Haverá algo a cortar ou libertar? Algo a mudar? Algo a transformar? Algo a aprender? Algo a fazer-se ou dizer-se?



Muitas foram as provas e obstáculos a transformar ao longo desta viagem... mas como valeu a pena.

Um trabalho profundo ao interior de mim mesma. Onde os sonhos me acompanharam com mensagens muito importantes.



Não se deve ir a locais de muito poder, como pirâmides sagradas, sem antes termos feito um bom trabalho de purificação. Caso contrário, o poder que recebemos poderá ser mal usado.

Sinto que não foi por acaso que só agora tive o privilégio de pisar estas terras de tanto poder. Um poder ainda muito vivo e presente.



México é um país de grande dualidade. Tem tanto de luz, como de sombra. 
Precisamos de estar muito conscientes, lúcidos e de coração puro para receber a sua luz.




Além de pisar terras sagradas, tive a oportunidade de mergulhar em práticas e rituais ensinados pela querida Sónia. 

Sem dúvida que o Temazcal foi uma experiência fortíssima de morte e renascimento.

O contacto com a máscara da Rainha Roja, complemento divino do rei iluminado Pakal, foi um portal para uma sabedoria que já carregava dentro de mim.

As contemplações da máscara de Pakal foram reveladoras e permitiram-me no Teocalli de Palenque fazer uma viagem a um passado meu muito longínquo e esquecido por muitas vidas.

O ritual da pipa - o cachimbo da paz - permitiu-me muita cura e foi a cereja no topo do bolo.



Ainda no México celebrei o meu renascimento... O meu aniversário segundo o Calendário Maio foi dia 21 Abril.




Mas sem dúvida que este trabalho não teria sido tão profundo se não tivesse levado comigo o meu damaru - tambor tibetano - e o sino para as minhas práticas de Chod. Com este ritual tibetano alimentei quase diariamente os meus demónios e, assim, ia transformando esse demónios em meus aliados.

Os demónios são medos, emoções reprimidas, padrões de repetições, amarras energéticas, obstáculos externos ou internos - o que Carl Jung chamaria o nosso lado sombra.



Este ritual foi criado pela Yoguini Tibetana Machig Ladron, no sec XI, e combina práticas xamânicas com práticas elevadas de auto-libertação (dzogchen). É a minha prática principal e acompanhou-me ao longo da minha jornada pelas águas sagradas no México.



Em muitos momentos senti o quanto é importante a unificação de saberes. Sabedorias que originalmente eram uma só.


Quantas vezes as cores vivas e quentes me lembraram o Tibete.

O sorrisos e carácter dos indígenas, os tibetanos.

Tantas semelhanças...
 



A sabedoria da Terra, o Poder do Jaguar, a Abundância dos solos...

A sabedoria do Vento, a Águia que eleva a sua consciência, o Sol que é o amor incondicional...



As penas, o tambor, o cachimbo, os rezos, as canções medicina, o copal...

O sino, o damaru, as sadhanas, as orações, os mantras, o incenso...





Trago comigo poder, liberdade... mas também um sonho. 

O sonho de um dia criar condições para contribuir para a união de duas sabedorias ancestrais que se polarizaram ao longo dos milénios: a Sabedoria Maia/Azteca com a Sabedoria Tibetana/Dakini.
E dessa união despertar novas consciências e trazer cura ao velho mundo - a nossa querida velha Europa, a anciã. Que tanta sabedoria guarda, mas tão esquecida e mal usada.




Por fim, faço-te um convite especial.


O Retiro O Poder da Dakini já está quase a chegar... de 16 a 19 Maio.

Confesso que me preparei bastante para finalmente estar apta a te guiar num retiro de Alquimia Emocional.

Já orientei muitas sessões de Dança Alquímica. Já transformei muitas emoções. 

Todos os dias faço por despertar o Poder da Dakini dentro de mim... 

E o Poder do Jaguar que resgatei no México levá-lo-ei comigo, dentro do meu ventre.




É um retiro aberto a homens e mulheres.

Não há qualquer requisito... não precisas de saber dançar, praticar yoga ou fazer qualquer outra prática.
 

Para mais info, não hesites em contactar-me: ana@anataboada.com




Se sentes o chamado, o coração a vibrar ou o ventre a pulsar, não hesites.

Este será o único retiro de Dança Alquímica que vou orientar este ano.


A vida apresenta-nos oportunidades que devemos agarrar... são comboios que não passam muitas vezes.

Por vezes é preciso saltar... sem ver e não tendo nada aonde agarrar a não ser à nossa fé. A essa força invisível que nos pede para avançar.
Nesses momentos, não devemos colocar a lógica e os medos à frente, senão tudo bloqueia, mais cedo ou mais tarde.

 


A minha formação de Kundalini Dance em Bali no passado mês de Setembro foi um desses saltos... Agora foi o México... e quanto estou agradecida por ter saltado!




Saltas comigo nesta jornada alquímica?


Que a dança seja a nossa alquimia!

A La La Oh!
Escreve um comentário
Por favor indica o teu primeiro nome
Por favor indica o teu último nome
Por favor indica o teu Email
Por favor indica o assunto
Por favor indica o teu comentário
*Campos Obrigatórios