Diário
Sábado 14 de Julho, 2018
Viver com Mindfulness
Encontrei os ensinamentos de mindfulness muito cedo nesta vida, ainda sem saber que se chamava mindfulness.
Apesar de mindfulness já estar bastante ocidentalizado, procurei sempre receber estas pérolas da fonte. O meu primeiro contacto foi com o Budismo Zen através do Mestre Hôgen Daidô aos meus 16 anos.

"A natureza original é sem religião.
Todos somos apenas um penetrante sopro do céu e da terra."

Hôgen Daidô



O sentar e não fazer nada do zazen era-me extremamente difícil e, apesar da filosofia me fascinar, a prática não me assentava assim tão bem. Preferia praticar yoga e, se possível, com um pouco de movimento.

Anos mais tarde, perto dos 20 anos, mindfulness e a meditação entram na minha vida através do budismo tibetano com a monja Tsering. Algo ressoava em mim, como memórias antigas que desejavam ser recordadas. Mas, apesar da imensa curiosidade e familiaridade, a prática era-me aborrecida e não fazia pulsar o meu coração. E mesmo em alguns ensinamentos, recordo-me de adormecer ao som das palavras do dharma.

A partir dos 25 anos começo a mergulhar profundamente no yoga e meditação na Escola de Yoga Integral de Portugal. Torno-me professora e master em vários estilos. E durante alguns anos fui formadora de professores.

Aos 29 anos entra na minha vida um mestre tibetano, Tulku Lobsang, que, com o seu carácter revolucionário e inovador, me fez apaixonar pela meditação tibetana e mindfulness. Durante 10 anos estudei muito sobre mente e emoções, mindfulness tradicional, psicologia e meditação tibetana. Mas também pratiquei, de forma muito metódica e apaixonada, muita meditação de amor e compaixão, e meditação contemplativa ou rigpa.
Enquanto treinava a minha mente e o meu coração, também aprofundei o yoga tibetano, treinando profundamente todos os aspetos do meu corpo: canais (tsa), energia (lung) e essências (tigle).
Com anos de muita devoção e dedicação, aos 33 anos ativei a chama sagrada do meu útero com práticas de energéticas de inner fire e bliss. Esta ativação jamais teria sido possível sem muita dedicação à meditação focada num ponto – mindfulness.

A partir dos 36 anos começam a emergir muitas questões, bastante pertinentes, relativamente à forma como a filosofia e práticas eram ensinadas. Questionei o padrão de pensamento tão masculino, linear, demasiado mental... além de outras questões ainda mais profundas, sobre emoções e o seu papel nesta vida, a nossa existência neste plano terreno e mesmo o papel de mestre-aluno.
Não acredito que Buda era budista, nem Jesus era cristão. Na minha visão qualquer que seja a religião ou sistema filosófico organizado deve ser questionado... em especial se cresceu sob uma grande influência patriarcal.
As respostas fui encontra-las a guias espirituais e professoras mulheres, como Pema Chodron e Tsultrim Alionne. Essas respostas fizeram-me continuar a busca e mergulhar fundo no sagrado feminino, onde agora nado com muita satisfação.

Neste momento, com 40 anos, continuo apaixonada por meditação e mindfulness. Mas com outra consciência, com mais sabedoria. Para mim sabedoria é a nossa capacidade de integrar qualquer prática ou ensinamento na própria vida, nesta existência. Dessa integração nasce a sabedoria.

Mindfulness é a base desta existência. Sem mindfulness não há consciência. Sem mindfulness não há amor.
São ensinamentos e práticas valiosas para o dia a dia, que já fazem parte do meu dia a dia e do meu ser, que são chaves para levar a vida com mais leveza e plenitude.
Mindfulness é muito mais que sentar e meditar... Mindfulness é começar a viver com outros olhos... é trazer a espiritualidade a este plano mais terreno... Ao terreno das emoções, problemas, obstáculos... Ao terreno de ser filha, mulher, amante, mãe... Ao terreno da vida mais crua e real!

Mindfulness ensinou-me que mais importante que fugir desta realidade é estar preparada para a abraçar totalmente! Mindfulness prepara-me todos os dias... e todos os dias aprendo com Mindfulness!

Foi neste sentido, integral e profundo, que surgiu o meu curso online de Mindfulness em 5 Passos.
Um curso de base, as raizes para a vida. Destina-se a quem quer começar a viver com mais presença, consciência, quietude, amorosidade e plenitude.

De seguida apresento quais são, para mim, as principais chaves de mindfulness:

Chave nº1:

:: A mente de criança ::
Esta energia contém imensas qualidades e diferentes aspetos. Tais como: não-julgamento; inocência original; curiosidade natural; não levar a vida tão a sério; mente de principiante.
Com a mente de criança passamos a viver com mais magia e alegria de viver. Cada momento é único e especial.



Chave nº 2:

:: Atenção versus Consciência ::
Estes dois aspectos inerentes a mindfulness, bem treinados, permitem-nos sair das preocupações; estar mais no aqui e agora; cultivar o enraizamento; aumentar a capacidade de contemplar e expandir a consciência; repousar no silêncio da mente e reconhecer a sua verdadeira natureza.


Chave nº 3:

:: Meditar é relaxar ::
Apesar de muitos professores de meditação insistirem que meditar é controlar os pensamentos e treinar a concentração, pelo contrário meditar é relaxar com consciência. É sair da energia do esforço e entrar na energia do não-esforço. Saber equilibrar os dois aspectos anteriores – atenção e consciência – é a porta de entrada para esse espaço de quietude e plenitude.


Chave nº 4:

:: Não há objectivo ::
Não há luta de chegar a algum sitio que esteja além do aqui-agora. Não há controlo de qualquer pensamento ou emoção.
Mas há uma intenção, completamente fora da expectativa. Logo fora da competição ou comparação.

"Não há caminho para a felicidade, a felicidade é o caminho."
Buda



Chave nº 5:

:: Aceitar versus Mudar ::
O primeiro passo é a aceitação. O segundo passo é usar o poder de decisão e o poder de escolha. Para ambas as situações precisamos de estar conscientes.
É assim que mindfulness nos ajuda a sair de maus hábitos, a cortar padrões negativos e a fechar ciclos.


Chave nº 6:

:: Confiar ::
Aprendemos a confiar na sabedoria da vida. E em nós mesmos. Descobrimos que existe um sábio e sábia dentro de cada um de nós. Essa bússola que nos guia no caminho da vida. Essa luz que é a nossa intuição e sabedoria mais profunda.


Chave nº 7:

:: Integridade ::
Ao responsabilizarmo-nos pela nossa própria vida, responsabilizamo-nos pelas nossas necessidades, fronteiras e desejos. Aprendemos a reconhecer o que sentimos profundamente e a responder com honestidade à verdade do nosso coração. A partir dum espaço de integridade, aprendemos a comunicar com autenticidade, respeitando as verdades dos outros. Começamos a entender o real sentido de equanimidade.


Chave nº 8:

:: Espaço para integrar as emoções ::
Não reprimimos, nem nos tornamos vitimas. Aprendemos a transformar as emoções e a retirar as suas devidas aprendizagens.
Este é um longo ensinamento que envolve 5 etapas.



Chave nº 9

:: Coração de criança ::
Preenchemos o espaço vazio com energia amorosa. Amar sem julgamento, respeitando as escolhas dos outros. Amar sem expectativa, amando mesmo que o outro não me ame.
Amar a partir de um espaço de abundância, para não cair na co-dependência.
Curar as feridas do coração para amar livremente, sem muralhas que fecham o coração.
Muito amor-próprio para cultivar a auto-estima para reconhecermos o nosso valor, potencial e natureza pura - que já é amor.


Chave nº 10

:: Sorrir para o medo ::
Não lutar contra o medo. Aprender a sorrir para o medo para que se torne nosso aliado. São ensinamentos preciosos da Yoguini Tibetana Machig Labdrong.


Chave nº 11:

:: Não negar a vida, nem esta existência ::
Sabedoria não é transcender esta realidade humana, mas sim trazer o sagrado e o divino (o plano mais espiritual) a esta experiência mais limitada.


São 11 as principais chaves e ainda assim um pequeno resumo dos tesouros de mindfulness. Chaves para nos libertarmos de tudo o que nos mais limita e condiciona. Chaves para vivermos com mais consciência, plenitude, integridade e compaixão. Chaves para começarmos a viver o que nos é proposto e assim servirmos mais e melhor o planeta e a humanidade.
Escreve um comentário
Maria Pereira
Hoje ao ler esta mensagem quis agradecer ... É tão bom sentir que há sábias neste Mundo, que nos ensinam a ser tb sábias. Tenho lido em silêncio as suas mensagens... e acredite, num período muito difícil e com muitos obstáculos para vencer. Continuo a acreditar, porque sou professora que um dia as nossas escolas têm e vivem esta mensagem de mindfulness. Abraço de luz e gratidão. Maria Albertina
Regina Jordão
Estes ensinamentos têm vindo a transformar a minha vida e estou muito feliz com isso.
Por favor indica o teu primeiro nome
Por favor indica o teu último nome
Por favor indica o teu Email
Por favor indica o assunto
Por favor indica o teu comentário
*Campos Obrigatórios